Últimas Notícias

04/03/2018

PACIENTES EM RISCO: TELMA PEDE CONTINUIDADE DE TRATAMENTOS EM HOSPITAIS DE REFERÊNCIA


Pacientes de Santos e de outras cidades do Brasil estão ameaçados de ter seus tratamentos interrompidos em hospitais filantrópicos de excelência em razão da descontinuidade do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS). Para evitar que isso aconteça, prejudicando a saúde e colocando em risco a vida de milhares de pacientes, a vereadora e ex-prefeita de Santos Telma de Souza pediu formalmente ao Ministério da Saúde que garanta a manutenção dos recursos para as instituições credenciais até o final dos tratamentos já iniciados.

O risco de interrupção dos tratamentos é oriundo do fim da prioridade do PROADI para o triênio 2014-2017, que tinha entre os temas prioritários a ampliação do atendimento de pacientes de câncer. O Programa busca promover a melhoria das condições de saúde da população, a partir do financiamento de ações de assistência, pesquisa e de tecnologia em saúde, pro meio da concessão de isenção fiscais a seis hospitais filantrópicos, que se responsabilizam por 132 projetos. São eles: Albert Einstein, Sírio-Libanês, Hospital do Coração, Oswaldo Cruz, Moinhos de Vento e Samaritano, todos prestadores de algum tipo de serviço por meio do SUS.

A mudança de foco do Proadi fará com que pacientes tenham de ter seus tratamentos transferidos para outros hospitais, o que possibilitará a espera em filas para marcação e realização de consultas e cirurgias.

“Em casos de reconstrução mamária, por exemplo, poderá fazer com que estes procedimentos sejam adiados sem previsão, uma vez que muitos municípios brasileiros não possuem hospitais credenciados, inclusive em Santos, cuja rede municipal não vem realizando este tipo de cirurgia há cerca de um ano. Mais ainda: fazer com que crianças cardiopatas fiquem sem o atendimento, pois são escassos os serviços de cirurgia e UTI cardíacas infantis, lembrando que não há este tipo de oferta na Baixada Santista”, avalia Telma, presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal.

A ong Mulheres em Luta pela Vida, que conta com representantes na Baixada Santista, já obteve, em alguns dias, mais de 5 mil assinaturas em apoio á manutenção dos serviços.